• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
23 novembro 2017

Resenha:Trago seu amor de volta sem pedir nada em troca, Ique Carvalho




Título: Trago seu amor de volta sem pedir nada em troca
Autor: Ique Carvalho
Editora: Sextante
Ano: 2017
Páginas: 240
Sinopse: A vida de Ique Carvalho era tranquila e parecida com a de muitos jovens de Belo Horizonte, sua cidade natal. Ele morava com os pais e os irmãos, era apaixonado pela namorada e trabalhava na agência de publicidade da qual era sócio. Suas impressões sobre o cotidiano iam para o blog The Love Code, onde podia dar vazão ao seu talento para escrever. Até que, em 2013, dois fatos fizeram tudo virar de ponta-cabeça. Na mesma semana, seu namoro teve um fim traumático e o pai recebeu o diagnóstico de uma doença degenerativa grave, que o mataria aos poucos. Sem chão e em meio a um turbilhão, foi no blog que encontrou refúgio para expressar seus sentimentos. Os textos fortes e genuínos acabaram viralizando, popularizando o site e dando a Ique milhares de fãs e seguidores. Suas palavras possuem o incrível dom de ser, ao mesmo tempo, simples e profundamente verdadeiras, traduzindo o que há de mais puro e desejável no amor. Essa mesma capacidade de causar impacto e despertar as emoções dos leitores permeia as reflexões tocantes de Trago seu amor de volta, seu aguardado segundo livro solo. Ique mais uma vez demonstra sua vocação única como cronista do amor em todas as suas expressões.

Trago seu amor de volta sem pedir nada em troca é o segundo livro de crônicas do Ique Carvalho, publicado pela Editora Sextante, que coloca seus sentimentos nos seus textos e que me emocionou ao relatar seu amor pelo seu pai e sobre amor entre homem e mulher.

A escrita de Ique é profunda, tocante e cheia de sentimentos.É possível sentir tudo o que é lido, ao retratar suas conversas com o pai, os cuidados coma doença que o pai tinha e o relacionamento com sua mae. 
“O que é o amor?
O amor não é uma pergunta.
É a resposta para tudo.”


Algumas crônicas são divertidas, arrancam sorrisos, outras deixam o coração apertado e ameaçam com lágrimas nos olhos. Eu fiquei muito emocionada com as crônicas a respeito do pai de Ique,do quão bonito e incrível é o amor entre eles, nos grandes gestos e nos pequenos. As crônicas também falam sobre seus relacionamentos amorosos: questionando o amor, rindo de algumas situações e super identificáveis na vida. Aquele amor que não é só de relacionamento, mas de afeto, de carinho, de amizade e respeito.

A edição do livro está linda. Depois de cada crônica, há uma ilustração e uma frase impactante do texto anterior. Além disso, o livro também conta com uma trilha sonora.

Para os românticos de plantão, para os amantes persistentes, para os filhos e para todos que acreditam no verdadeiro e puro amor, estes textos tocaram seu coração e você transbordará sentimento.


Nota:★(4,5/5)




divulgar

comentar

20 novembro 2017

Resenha:Resenha: Lady Whistledown Contra-Ataca - Julia Quinn - Mia Ryan - Karen Hawkins - Suzanne Enoch



 Título: Lady Whistledown contra-ataca
Autoras:  Julia Quinn, Mia Ryan, Karen Hawkins, Suzanne Enoch
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
*LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA ARQUEIRO 
Sinopse: Com a participação especial da famosa cronista da sociedade criada por Julia Quinn, Lady Whistledown contra-ataca é formado pelas narrativas curtas de quatro escritoras consagradas, tendo como fio condutor o roubo de uma pulseira milionária. Seus contos são como pérolas que se unem e formam uma peça de valor inestimável.  Quem roubou o bracelete de lady Neeley? Terá sido o caça-dotes? O apostador? A criada? Ou o libertino? Londres está fervendo com as especulações, mas, se ainda restam muitas dúvidas, pelo menos uma coisa é certa: um desses quatro está envolvido no crime. Crônicas da sociedade de lady Whistledown, maio de 1816 Julia Quinn encanta... Um belo caçador de fortunas foi enfeitiçado pela debutante mais desejada da temporada. Agora ele precisa provar que o que deseja é o coração da jovem, não o dote dela. Mia Ryan delicia... Uma criada adorável e espirituosa está deslumbrada com as atenções românticas que tem recebido de um charmoso conde. Mas um relacionamento entre eles seria escandaloso e poderia arruinar a reputação dos dois. Suzanne Enoch fascina... Uma jovem inocente que passou a vida evitando escândalos de repente se vê secretamente cortejada pelo maior libertino de Londres. Karen Hawkins seduz... Um visconde que vaga sem destino volta para casa para reacender o fogo da paixão de seu casamento, mas descobre que sua linda e decidida esposa não será conquistada tão facilmente.

“Lady Whistledown contra-ataca", da Julia QuinnMia RyanKaren Hawkins, e Suzanne Enoch  unirá quatro contos que são produzidos pela cronista da sociedade londrina: Lady Whisthedown, uma das principais personagens da Julia Quinn. Apesar de serem contos independentes, eles estão interligados pelo desaparecimento da pulseira da Lady Needly. Então, Lady Whistledown  contará as fofocas da sociedade e revelará em primeira mão quem foi o responsável pelo desaparecimento do bracelete milionário.


"O primeiro beijo" é escrito pela Julia Quinn, que narrará a história de um belo caçador de fortunas que fica louco pela debutante da temporada. Porém, ele precisará provar que quer o coração da moça e não seu dote. Logo, Lady Whisthedown acusa o moço de querer apenas o dinheiro da dama. E agora? Como provar o amor? Eu amei esse conto, sem duvidas, um dos meus preferidos e um dos mais apaixonantes.



“Ele a beijou embora nunca fosse ser o bastante. Beijou-a ainda que nunca mais fosse tê-la. 
E beijou-a para corrompe-la para todos os outros homens, para deixar sua marca de modo que, quando o pai finalmente a casasse com outro, ela teria a memória daquele momento, que a assombraria até o dia de sua morte.”

"A última tentação" é escrito por Mia Ryan, no qual uma criada espirituosa está ficando apaixonada por um famoso conde.Porém, o relacionamento entre eles seria escandaloso para ambos.  Um dos contos mais divertidos e cheios de confusão, mesmo com a previsibilidade da trama. 


"O melhor de dois mundos" é escrito por Suzanne Enoch: uma jovem inocente passou a vida tentando evitar qualquer escândalo, porem se vê sendo cortejada pelo maior libertino de Londres. Será que ela conseguirá evitar que seu coração vire folia toda vez que o vê?


  "O único para mim" é escrito por Karen Hawkins: um visconde que volta para casa a fim de reviver  seu casamento, todavia percebe que sua esposa não será reconquistada tão facilmente. Eu amo aquela relação de provocação , sabe? Então, é o que vemos aqui: ambos com o coração na mão e o orgulho na outra. Esse conto é cheio de amor, perdão e arrependimento.


Enfim, apesar de não ter lido a série, amei os contos. Principalmente, o da Julia Quinn e o da Karen Hawkins.Os personagens são cativantes e divertidos. Recomendo a leitura desses contos apaixonantes. OS: mesmo para os que não leram a série “Os Bridgertons”( como eu), não há spoilers na obra, só haverá Lady Whistledown para sacudir a sociedade londrina .




Nota:★(4,5/5)





divulgar

comentar

18 novembro 2017

Resenha: Fraude Legítima, E.Lockhart


Título: Fraude Legitima

Autora: E. Lockhart
Editora: Seguinte
Páginas: 280
Ano:2017
Sinopse: Jule West Williams é uma garota capaz de se adaptar a qualquer lugar ou situação. Imogen Sokoloff é uma herdeira milionária fugindo de suas responsabilidades. Além do fato de serem órfãs, as duas garotas têm pouco em comum, mas isso não as impede de desenvolver uma amizade intensa quando se reencontram anos depois de terem se conhecido no colégio. Elas passam os dias em meio a luxo e privilégios, até que uma série de eventos estranhos começa a tomar curso, culminando no trágico suicídio de Imogen e forçando Jule a descobrir como viver sem sua melhor amiga. Mas, talvez, as histórias das duas garotas tenham se unido de maneira inexorável — e seja tarde demais para voltar atrás.


Para mim, a grande surpresa em Fraude Legítima foi ler no escuro: sem saber de nada, sem ver resenhas ou sinopse. Então, o mesmo recomendo a você, querido leitor, que já leu ou quer ler algo de E.Lockhart. Por isso, não teremos uma resenha comum em que introduzo você a história. Só irei comentar a minha opinião e veremos a seguir.

“Se pelo menos pudesse voltar no tempo, poderia ser uma pessoa melhor. Ou uma pessoa diferente. Seria mais ela mesma. Ou menos.”

O livro é narrado a partir de duas linhas de tempo: o primeiro capítulo é, na realidade , o penúltimo. Este nos mostra o que acontecerá a partir de uma situação e vamos voltando no tempo, assim você conhecerá a Jule West e a Imogen Sokoloff. Você se deparará com  personagens duvidosas: será que é verdade tudo o que diz? Voce poderá confiar na sua história? Quem são elas?

Não tinha mais certeza de onde traçar a linha entre elas. [...] Jule era órfã como Immie, uma pessoa que se inventou sozinha, com um passado misterioso. Havia tanto de Imogen em Jule, e tanto de Jule em Imogen.

Inicialmente, foi confuso acompanhar a narrativa, já que a intenção da autora é que o que você está lendo pode ou não ser verdade. As brigas, conversas, os detalhes extras serão contados aos poucos, pois cada capitulo retrocede alguns dias, semanas ou meses na história. Ou seja, é uma loucura e você precisa estar atento a tudo.

 “Ela sabia que mulheres raramente eram o centro desse tipo de história. Não passavam de um refresco para os olhos, companheiras, vítimas ou interesses amores. Em geral, existam para ajudar o grandioso herói branco e heterossexual em sua jornada épica e muito foda. Quando havia uma heroína, ela era muito magra, usava quase nenhuma roupa e tinha dentes perfeitos.
Jule sabia que não não parecia com aquelas mulheres. Nunca ia parecer. Mas ela era tudo o que aqueles heróis eram - e, em certos aspectos, mais ainda.”

Para ser sincera, eu já suspeitava de muitas coisas que aconteceriam na história. O mistério, nos detalhes era revelado. Fraude Legitima é uma colcha de retalhos bem construídos e talvez, para os Sherlock Holmes’s da vida, seja previsível. Não sei dizer se o desfecho da história me agradou, mas que o final trará muita discórdia e dividirá opiniões, isso é certo.

Fraude legitima é uma narrativa fragmentada, cheia de  flashbacks, contada de trás para frente e com muitas referencias literárias e cinematográficas. Terminei o livro com um misto de emoções: indignação, revolta, querendo conversar com alguém sobre ele e uma relação de amor e ódio pela história.

"Não é uma amizade de verdade, Jule. Não é uma amizade de verdade se eu pago tudo, você pega tudo emprestado e ainda assim não é o suficiente. Você quer todos os meus segredos, depois dos usa contra mim. Tenho pena de você, de verdade. Gosto de você, mas na maior parte do tempo você é, tipo, uma imitação de mim."


Nota:★(4/5)




divulgar

comentar

15 novembro 2017

Resenha:Depois daquela montanha - Charles Martin


Título: Depois Daquela Montanha

Autor: Charles Martin
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Ano: 2017
* Livro cedido em parceria com a Editora Arqueiro
SinopseO Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo. Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida. Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada. Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado? À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas.

Sabe aquele livro que te deixa perturbada, que faz você ficar com falta de ar, estar na pele dos personagens e viver seus dilemas? Foi exatamente como me senti ao ler DEPOIS DAQUELA MONTANHA.

Ben Payne é um médico ortopedista, que está voltando para casa depois de participar de palestras. Ele está no saguão do aeroporto, aguardando seu voo e fazendo registros no seu gravador quando conhece Ashley, uma jornalista que está para se casar. Devido a uma mudança no tempo, alguns voos estão cancelados e atrasados. Ben e Ashley pretendem chegar em casa o mais rápido possível, para isso Ben decide fretar um voo particular do experiente piloto Grover.

Lembrando que Ashley também estava com pressa, ele a convida para dividirem esse voo para chegarem aos seus destinos. Todavia, o pior acontece. Grover, o piloto, sofre um ataque cardíaco a 3.500 metros de altitude. O avião cai e com a morte do piloto, Ben e Ashley estão sozinhos há milhas de distancia nas montanhas geladas.

Feridos, sem suprimentos e em meio a altas e geladas montanhas, Ben e Ashley terão que lutar pela sobrevivência. A luta desesperada pela vida tem início.Segredos, vivencias e histórias serão compartilhadas por ambos, um vinculo que nunca será esquecido.

-Quando o pior é uma possibilidade, é bom mantê-lo em perspectiva. Sem que a gente se esconda dele. Sem fugir. Ele pode acontecer. E, se e quando acontecer, é melhor ter pensado nele de antemão. Desse jeito, a pessoa não é esmigalhada quando o pior se torna realidade.”

Depois Daquela Montanha é uma história que foi além do esperado.É um convite único para refletir e superar limites. A narrativa sufocante e perturbadora, faz o leitor sentir os traumas do acidente nas montanhas, fechar os olhos para cada situação desesperado e querer dar forças para os personagens principais.

Um dos pontos positivos do livro, foi o autor ter detalhado essa história, já que era necessário o leitor ficar a par de toda a circunstancia de sobrevivência. Fato que poderia ser um ponto negativo, mas não houve excesso de detalhes, que não dificultou em maneira nenhuma a leitura, só a enriqueceu. Além disso, a construção dos personagens mostrou as habilidades do autor em nos apresentar aos poucos quem são essas pessoas e como estão lidando com tudo que está acontecendo. Muito real, muito intenso e muito tocante.

O livro é narrado por Ben, que emociona o leitor ao descrever os momentos que passa e o de onde tirou força para salvar a si e a Ashley que está completamente dependente. Alternando entre presente e flashbacks do passado, podemos conhecemos quem é Bem e o quão profundo é suas dores. Admito que quando Bem se declarava através de seu pequeno gravador, meu coração ficava na mão e logo eu estava marcando mil quotes do livro.

Ashley é uma personagem admirável demais. Ela não se faz de vitima, de coitada pela situação que passa. Ela é forte, corajosa e encontra forças, lidando com humor no momento mais difícil de sua vida. Em meio a fome e ao intenso frio, traz conforto através de suas tiradas sarcásticas bem pontuadas e sua sinceridade.

"E então aconteceu algo que nos rachou e nos despedaçou. Deixou-nos “desarticulados, em estilhaços. Alguns de nós se quebram em cem pedaços. Outros, em 10 mil. Alguns cacos têm contornos com contrastes nítidos. Outros, matizes esmaecidos de cinza. Há quem descubra que lhe faltam pedaços. Outros, que têm cacos além da conta.”

Embora toda a história se desenvolva com dois personagens e em uma montanha, enfatizo que a leitura é flui rapidamente e a curiosidade só aumenta para saber o que poderá acontecer em seguida.  E com isso, é impossível não sofrer com Ben e Ashley, e torcer para que passem por todas essas dificuldades físicas e emocionais. Quanto ao desfecho, eu nunca imaginaria o que o autor faria. Nunca mesmo.

Confesso que  precisei reler o final e um filme se passou na minha cabeça, desde o começo da trama até aquele momento. Não tenho palavras suficientes para descrever minhas emoções ao ler esta obra: surpreendente, emocionante,  reflexiva e avassaladora.

“A escuridão faz isso. Dá voz a medos que permaneceriam não ditos, apesar de reais, se os deixássemos sossegados.”

DEPOIS DAQUELA MONTANHA não é apenas um romance, é um livro que aborda sobrevivência , fé, esperança, força e amor pela vida. Uma história sobre segundas chances, recomeços e luta pelo amor.  Já agradeço de antemão a  Editora Arqueiro  pela edição maravilhosa, com uma diagramação simples e precisa. Lembrando que a adaptação do livro trará Kate Winslet e Idris Elba nos papéis de Ashley e Ben. 

Sensível, inspirador e grandioso. Depois Daquela Montanha é uma leitura super indicadada para quem ama histórias de sobrevivência, que fogem do clichê romântico, contando com uma primorosa construção dos personagens e seu autoconhecimento nessa jornada.


Nota:★(4,5/5)




divulgar

comentar

10 novembro 2017

Resenha: Tartarugas até lá embaixo, John Green



Título: Tartarugas até lá Embaixo
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance / Jovem Adulto
Páginas: 256
Sinopse:Depois de seis anos, milhões de livros vendidos, dois filmes de sucesso e uma legião de fãs apaixonados ao redor do mundo, John Green, autor do inesquecível A culpa é das estrelas, lança o mais pessoal de todos os seus romances: Tartarugas até lá embaixo.A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.


Aza Holmes é uma garota de 16 anos que tem transtorno de ansiedade e TOC. Ela não consegue não pensar em todas as bactérias que existem e que podem viver em seu corpo. Segundo ela, esses pensamentos se assemelham a uma espiral que vai afunilando infinitamente.

"[...] nada nesse mundo é merecido exceto o amor [...] o amor é ao mesmo tempo como e porque você se torna uma pessoa."
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Cheia de inseguranças e medos, ela vive tentando controlar sua vida. Até que um bilionário desaparece da cidade e uma recompensa de 100 mil dólares é oferecida a quem o encontrar. Daisy, melhor amiga de Aza, decide que elas precisam urgentemente do dinheiro e que encontrarão o cara de todo jeito.Porém, não é tão simples assim, já que inclui Davis, um amigo de infância de Aza e filho do bilionário desaparecido.⠀⠀⠀⠀⠀⠀

"O mais apavorante não é girar sem parar numa espiral crescente, é girar sem parar na espirar que se afunila. É ser sugado para um redemoinho que vai se fechando mais e mais e esmagando seu mundo até você estar apenas girando sem sair do lugar, preso numa cela que é exatamente do seu tamanho e nem um milímetro a mais, até você finalmente se dar conta de que na verdade não está preso na cela. Você é a cela."
×××⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀
Depois de seis anos do lançamento da Culpa é das Estrelas, Tio John Green nos presenteia e abre o seu coração em Tartarugas Até Lá Embaixo.O autor escreveu uma história encantadora e cheia de mensagens que precisam ser entendidas, não somente lidas. Além, de construir uma personagem muito divertida e cativante!

Deixa eu dizer uma coisa: que saudade eu estava do John Green. Uma saudade de me sentir próximo da protagonista, de me identificar com sua ansiedade e até com seu transtorno. Saudade de me encantar com a escrita do autor e de querer que todo ano ele lance mais livros, por favor.



Nessa história, vivemos dentro da cabeça de Aza: portadora de TOC. Sentimos na pele como são seus relacionamentos, como suas amizades são afetadas e o quanto é difícil e complicado ter essa doença. Eu vivi nas espirais de Aza enquanto lia. È incrivel como John Green conseguiu passar essa sensação de nos colocar na pele de alguém que sofre de TOC. Ele nos deu a possibilidade de viver esses problemas mentais, mas com um olhar sem julgamentos, sem preconceitos.Afinal,  Aza é uma personagem incrível, que luta para viver normalmente e luta contra sua doença.

Um romance leve, com uma narrativa doce e fofa. Impossivel não marcar o livro todo. Tio John continuando inspirando através de frases fofas e verdadeiras. È impossível nao ser cativado pela Aza, não sofrer um pouco com seus conflitos interiores. E quando chegamos ao final, sentimos que aprendemos com essa história de alguma forma.Nao é somente um YA. É a volta do Tio John com uma lição que não devemos menosprezar os problemas dos outros, cada um sabe com o que lida todos os dias em sua vida.
⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀
Uma volta do autor de coração aberto e que grita que todos nós temos a possibilidade de ter futuro, de sermos felizes independente das nossas dificuldades.
Tartarugas Até Lá Embaixo é mais do que uma caçada a um bilionário,é uma história única, emocionante e fofa. Já posso reler? ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀


"O verdadeiro terror não é ter medo, é não ter escolha senão senti-lo."

Voces sabiam que tem muito do John Green na Aza. Aliás, vocês sabiam que ele também tem TOC e ansiedade?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
"É muito estranho: sabemos que a nossa cabeça é doida, mas mesmo assim não conseguimos fazer nada em relação a isso, entende? Não é que a gente se iluda achando que comportamentos desse tipo são normais. A gente sabe que tem um problema. Só não consegue descobrir o que fazer para consertá-lo."

Nota:★(4,5/5)




divulgar

comentar


Resenha: Quinze dias,Vitor Martins


Tìtulo:Quinze Dias

Autor: Vitor Martins
Editora: Vitor Martins
Ano: 2017
Páginas:208
Sinopse: Felipe está esperando esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai botar em prática. Mas as coisas fogem um pouquinho do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele não voltam de uma viagem. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

Quinze Dias é o livro de estreia do Vitor Martins e já adianto: conquistou meu coração !

Felipe é um garoto de 17 anos que só quer que suas férias cheguem logo. A escola é um verdadeiro inferno, já que seus colegas vivem tirando sarro dele. O motivo? Felipe é gordo. Então, seus dias são um tormento. Porém, 30 dias de férias estão chegando, muitas maratonas de séries seram feitas, livros lidos e muito descanso. Certo? Errado. Ele não esperava que o seu grande crush fosse passar 15 dias em sua casa, pois seus pais vao viajar. A presença de Caio provocará um misto de sentimentos e como lidar com o crush assim tao perto?



"- Coisas impossíveis podem acontecer se você começar a falar."

Quinze Dias foi uma leitura rápida, adorável e encantandora. São 208 páginas que eu leria outra vez e mais uma. Vamos acompanhar a convivência de Felipe com seu vizinho lindo, o Caio. Mas também, de autoaceitação e autoconhecimento. Felipe sempre se escondeu do mundo, atrás da sua aparência e do medo que tinha das pessoas. Para Felipe, não era tao simples ir na piscina, sair de casa e so se divertir, ou falar com o garoto que gosta.Só de pensar nisso, ele temia .


"- Um dia você aprende a gostar mais de quem você é, e isso vai refletir em como as outras pessoas vão te enxergar. Gente babaca vai existir para sempre, mas a gente aprende a resistir."


Caio  é uma gracinha do inicio ao fim. Impossível não rir com os diálogos, se surpreender com as cenas e torcer pelo sentimentos de ambos. Felipe, podemos ser amigos? Temos tanto em comum: livros, séries, batman... Foram poucas horas, mas que tornaram-se quinze dias dentro da história, uma jornada que amei acompanhar. Também é impossivel não ser cativado pelos personagens e se identificar com seus dilemas.

Quinze Dias aborda com sutileza,sensibilidade, leveza  e com humor temas como gordofobia, homofobia e bullying; como isso afeta as pessoas, como o preconceito é assustador, intimidante. Também temos romance, amizade e afinal, aprendemos a encontrar nossa força naqueles que amamos para enfrentar o que tanto tememos.

"Seu sorriso tem a intensidade de mil adesivos de estrelas que brilham no escuro." 

A beleza de Quinze Dias não está no clichê que poderia ter acontecido, mas na naturalidade com que as coisas aconteceram, com  a realidade dos personagens e com leveza dos detalhes. Um livro com muita representatividade, orgulho, amor, mostrando que podemos vencer o preconceito e superar nossos medos . Afinal, não devemos ter medo do nosso corpo, da nossa sexualidade. Todos nós merecemos entrar na piscina sem camiseta e sem medo algum.Merecemos ser quem quisermos . Então,seja.

 "Se a minha vida fosse um musical, agora seria o momento em que eu cruzaria o portão de saída da escola cantando uma música sobre liberdade e as pessoas dançariam em sincronia uma coreografia bem ensaiada."



Nota: ★★★(5/5) 


divulgar

comentar

08 novembro 2017

Resenha: Meu coração e outros buracos negros, Jasmine Warga

Título: Meu Coração e Outros Buracos Negros
Autor: Jasmine Warga
Editora: Rocco
Páginas: 312

Ano: 2016
SinopseUm tema amargo, mas necessário. Em Meu coração e outros buracos negros, a estreante Jasmine Warga apresenta aos leitores um romance adolescente que aborda, de forma aberta, honesta e emocionante, o suicídio. Aysel, a protagonista, enfrenta problemas com a família e os colegas de escola, como tantos jovens por aí, e, aos 16 anos, planeja acabar com a própria vida. Mas quando ela conhece Roman num site de suicídio, em busca de um cúmplice que a ajude a planejar a própria morte, num pacto desesperado, a vida dos dois literalmente vira de cabeça para baixo. Aos poucos, Aysel percebe que seu coração ainda é capaz de bater alegremente. E ela precisará lutar por sua vida, pela vida de Roman e pelo amor que os une, antes que seja tarde.


Depois de ter visto muitas recomendações desse mês em Setembro, resolvi lê-lo. E posso afirmar, que ele vai além de uma capa simples e metafórica. A escrita da autora é adorável, a narrativa tem um tom de “dark” que ultrapassa o clichê e que casa perfeitamente com a história e com o assunto a ser retratado, com sinceridade e seriedade.
  
Meu coração & outros buracos negros, da Jasmine Warga , nos contará a história de Aysel, uma garota de 16 anos, que está por vários problemas em sua vida desde que seu pai foi condenado por um crime horrendo..

Aysel se sente triste o tempo todo, a ponto de imaginar como seria morrer.  Enquanto trabalha em uma empresa de telemarketing,ela  navegava em um site chamado Passagens Tranquilas  para ler os planejamentos dos suicídios. Através do site, Aysel conhece Roman, um garoto bonito, que já foi popular, que está em busca de uma parceira de suicídio.


"Aposto que, se cortassem minha barriga, a grande lesma preta da depressão sairia rastejando. Orientadores pedagógicos amam dizer: "Pensamento positivo!", mas é impossível quando se tem essa coisa lá dentro, sufocando cada centímetro de felicidade que se pode juntar. Meu corpo é uma máquina eficiente de matar pensamentos felizes."

Entre vários planos para se conhecerem antes da morte acontecer, Aysel se pergunta porque Ronan escolheu apenas uma data: 7 de Abril. Então, ela teria 26 dias até o dia que ambos cometeriam suicídio.

Assim, começa uma contagem regressiva para esse dia. Já que Aysel não ve a hora dessa tristeza, que a consome sumir. Mas, antes de partir ela precisa resolver algumas pendencias. Mas, esses encontros entre Aysel e Roman  acabam transformando aos poucos seus sentimentos de solidão. Será que eles conseguiram colocar o plano de suicídio em pratica?

Aysel e Roman são personagens memoráveis, com um humor acido,proporcionando diálogos inteligentes e reflexivos. Os capítulos são narrados pela contagem regressiva de quantos dias faltam para o suicídio.

"(...) Se eu tivesse um namorado, seu nome seria Suicídio. E tenho certeza de que Roman também está apaixonado por ele. É como um triângulo amoroso que dá errado. Ou talvez seja um triângulo amoroso que vai dar certo: nós dois vamos ficar com o cara em sete de abril."

O desfecho foi algo que me surpreendeu. A escrita da autora é fluida, cheia de sensibilidade e intensidade nos momentos certos. Jasmine Warga atribui um peso a cada palavras nas páginas , carregada de uma tristeza real, forte e palpável, que consegue transmitir para o leitor a falta de esperança de duas pessoas que desistiram de viver.

(...) Será que é assim que a escuridão vence, convencendo-nos a prendê-la dentro de nós, em vez de jogá-la fora? 


Um livro sincero, real , que vai te conectar com a história de primeira e com seus personagens. A dor que eles sentem , será sentida por você. O desespero e a tristeza será passada para seu coração. O final foi algo que me deixou receosa, já que senti pressa no termino, mas não posso falar porque seria spoilers. Outro ponto negativo, foi que não consegui me cativar o suficiente pelos personagens, já que eu queria algumas explicações a umas ações que ficaram incompletas. Mas, o mais importante é que esse livro trata de um tema que não deveria ser mais tabu. Uma historia que precisa ser lida, por mais difícil e dura que seja de se ler.

A autora mostra como traumas e cicatrizes profundas tem a possibilidade de serem transformadas em luz, que não existe nada irreversível, todos temos um lugar no mundo, só precisamos enfrentar o desafio de encontra-lo. Eu recomendo esse livro de olhos fechados para refletir e insistir na vida.


Nota:★(5/5)



divulgar

comentar